Dep. Técnico (12) 99657-8080 Dep. comercial (11) 97398-0237 Atendimento
Piolhos, Porva, Pixilinga
Piolhos, Porva, Pixilinga

Conhecendo e aprendendo sobre a doença ,tratamento e prevenção.

 

Os ectoparasitas vivem na pele e no corpo das aves e alguns nos locais onde as aves circulam os mais comuns são os piolhos, também conhecidos como ácaro vermelho das galinhas, carrapato de galinha, piolho de galinha ou, ainda, ácaro vermelho.

 

Conheça os principais tipos de ectoparasitas em aves do Brasil.

 Percevejos de Cama e Ninho - Cimex lectularius

É é um parasita sugador de sangue que ataca as aves. A alimentação geralmente ocorre à noite. Os percevejos se bebem o sangue das aves em no máximo 10min, e depois se escondem nas frestas e rachaduras para fazer a digestão, dormirem e se reproduzirem. Se forem atacadas por um grande número de percevejos, as aves podem-se tornar anêmicas. As picadas são geralmente acompanhadas por inchaço e coceira devidos à reação da saliva no ferimento.

 

Pulga das galinhas - Echidnophaga gallinacea

É exclusiva entre as pulgas das aves no sentido de que os adultos se tornam parasita e geralmente permanecem presos à pele da cabeça por dias ou semanas. As fêmeas adultas colocam seus ovos de forma que eles chegam ao chão do local. As larvas se desenvolvem melhor em uma cama arenosa e bem-drenada. A irritação e a perda de sangue podem causar anemia e morte, particularmente nas aves jovens.

 

Borrachudos - Simulium spp (Simuliidae)

São sugadores de sangue e transmitem a leucocitozoonose em aves frequentemente atacam em enxames e causam anemia e morte das aves tanto diretamente como através de transmissão da doença.

 

Piuns - Culicoides spp (Ceratopogonidae)

Transmitem um microrganismo semelhante ao da malária (Haemoproteus nettionis).

 

 

Mosca-dos-pombos - Pseudolynchia canariensis (Hippoboscidae) é um parasita importante dos pombos;. Pode transmitir o Haemoproteus columbae, que causa a malária-dos-pombos. Também pode causar perdas fortes nas aves.

 

Carrapatos Aviários - Sanchezi - A. radiatus, A. persicus.  

 

Esses carrapatos são particularmente ativos na avicultura durante o tempo seco e quente. Podem-se encontrar todos os estágios se escondendo nas rachaduras e frestas durante o dia. Podem-se encontrar as larvas nas aves, pois elas permanecem presas e se alimentam por 2 a 7 dias. As ninfas e os adultos se alimentam à noite em cerca de 15 a 30min. As ninfas se alimentam e mudam várias vezes antes de alcançarem o estágio adulto. Os adultos se alimentam repetidamente e as fêmeas põem 50 a 100 ovos após cada alimentação. As fêmeas adultas podem viver no mínimo 4 anos sem uma refeição de sangue.

 

Piolhos - Menacanthus stramineus

Os piolhos aviários possuem um ciclo vital de cerca de 3 semanas e se alimentam normalmente de pedaços de pele ou produtos de penas. Os piolhos podem viver por vários meses no hospedeiro, mas permanecem vivos somente por cerca de 1 semana fora dele. O homem e outros mamíferos podem ser contaminados pelos piolhos aviários, mas somente temporariamente.

 

Nas criações o piolho mais comum é a espécie Menacanthus stramineus. Ele perfura ou mastiga a pele na base das penas e se alimenta de sangue. A avicultura são menos comumente infestadas pela Menopon gallinae (nos canhões das penas), a Lipeurus caponis (principalmente nas penas das asas), a Cuclotogaster heterographa (principalmente na cabeça e no pescoço), a Goniocotes gallinae (muito pequeno, na penugem), a Goniodes gigas (o piolho grande das galinhas), a Goniodes dissimilis (o piolho marrom das galinhas), a Menacanthus cornutus (o piolho corporal), a Menacanthus pallidulus (o piolho corporal pequeno) ou a Oxylipeurus dentatus. Como os piolhos se transferem de uma espécie aviária para outra quando os hospedeiros se encontram em contato íntimo, podem-se infestar outras aves domésticas e engaioladas com espécies de Mallophaga que são geralmente hospedeiro-específicas.

 

Piolho de galinha - Dermanyssus gallinae

Muito comum em todo território nacional, o Dermanyssus, assim como outras espécies de ácaros, fica no ambiente da criação e sobe nas aves durante a noite para se alimentar. E isso, comprovadamente, pode lhe ocasionar sérios problemas sanitários, como a salmonelose. Ele vive por apenas 7 dias, ou seja, se reproduzem muito rapidamente e a infestação pode crescer muito rápido, em questão de 24h levando a sérios problemas financeiros. Estes ácaros podem sobreviver até 10 meses num galinheiro, galpão, baia vazia.

 


Phthiraptera (piolho) e acarina (ácaro) em uma pena de galinha. Gravado na Faculdade de Veterinária da UFMG. Os piolhos (grandes espécies móveis) são da espécie Lipeurus caponis (Inseta: Phthiraptera) e os pequenos ácaros (presos em sulcos) são do gênero Megninia (Arachnida: Analgesidae).

 

 

Transmissão da doença de uma ave para outra.

 Ambos os parasitas são transmitidos de ave para ave por contato físico com aves contaminadas ou local contaminado devido as falhas de manejo, ausência de quarentena, ou por contato físico com local contaminado com eles.

 

 

Identificando os sintomas da doença na ave:

• Anemia

• Peito Seco

• Emagrecimento

• Aves estressadas

• Queda da imunidade

• Canibalismo entre aves

• Doenças transmissíveis

• Diminuição da postura de ovo

• Ferimentos constantes nas aves

• Infertilidade temporária nos machos

• Ausência de penas as aves retiram as penas no intuito de acabar com os ectoparasitas.

 

 Medidas a Serem Tomadas par evitar a doença novamente: 

• Controle de pássaros e animais silvestres e domésticos, com uso de telas específicas para este fim nos galpões, baias e galinheiros e cerca nas propriedades.

• Desinfecção frequente do local conforme normas da Embrapa.

• Nas aves, é fundamental fazer um tratamento através de banhos, pulverização, polvilhamento.

• Fazer um correto manejo dos resíduos em toda a granja e aviário, evitando a proliferação dos ectoparasitas como piolhos, pulgas das galinhas e ácaros, entre outros.

 

Sugestões de tratamento para a ave doente.

    1º Isolar fisicamente as aves doentes das demais aves saudáveis em local, baia ou gaiola específico para tratar aves doentes, com bebedouro e comedouro apenas para as doentes e ficar de olho nas outras aves saudáveis que estavam com ela, se alguma adoecer levar para a baia de quarentena.

   2º Identificar os sintomas, para a partir dos sintomas podermos identificar a doença ou possíveis doenças associadas.

   3º Após a identificação da doença partimos para o tratamento com medicação adequada para cada caso.

   4º Medicamentos sugeridos de acordo com a bula:

 

 

Conheça Nossas Soluções Para Tratamento Desta Doença :

 

 

 

Assista a aula prática de como utilizar cada medicamento link :

 

 

0.00

Piolhos, Porva, Pixilinga

R$ 0,00

Até 10x sem juros de R$ 0,00 no cartão

Qtd:  

Conhecendo e aprendendo sobre a doença ,tratamento e prevenção.

 

Os ectoparasitas vivem na pele e no corpo das aves e alguns nos locais onde as aves circulam os mais comuns são os piolhos, também conhecidos como ácaro vermelho das galinhas, carrapato de galinha, piolho de galinha ou, ainda, ácaro vermelho.

 

Conheça os principais tipos de ectoparasitas em aves do Brasil.

 Percevejos de Cama e Ninho - Cimex lectularius

É é um parasita sugador de sangue que ataca as aves. A alimentação geralmente ocorre à noite. Os percevejos se bebem o sangue das aves em no máximo 10min, e depois se escondem nas frestas e rachaduras para fazer a digestão, dormirem e se reproduzirem. Se forem atacadas por um grande número de percevejos, as aves podem-se tornar anêmicas. As picadas são geralmente acompanhadas por inchaço e coceira devidos à reação da saliva no ferimento.

 

Pulga das galinhas - Echidnophaga gallinacea

É exclusiva entre as pulgas das aves no sentido de que os adultos se tornam parasita e geralmente permanecem presos à pele da cabeça por dias ou semanas. As fêmeas adultas colocam seus ovos de forma que eles chegam ao chão do local. As larvas se desenvolvem melhor em uma cama arenosa e bem-drenada. A irritação e a perda de sangue podem causar anemia e morte, particularmente nas aves jovens.

 

Borrachudos - Simulium spp (Simuliidae)

São sugadores de sangue e transmitem a leucocitozoonose em aves frequentemente atacam em enxames e causam anemia e morte das aves tanto diretamente como através de transmissão da doença.

 

Piuns - Culicoides spp (Ceratopogonidae)

Transmitem um microrganismo semelhante ao da malária (Haemoproteus nettionis).

 

 

Mosca-dos-pombos - Pseudolynchia canariensis (Hippoboscidae) é um parasita importante dos pombos;. Pode transmitir o Haemoproteus columbae, que causa a malária-dos-pombos. Também pode causar perdas fortes nas aves.

 

Carrapatos Aviários - Sanchezi - A. radiatus, A. persicus.  

 

Esses carrapatos são particularmente ativos na avicultura durante o tempo seco e quente. Podem-se encontrar todos os estágios se escondendo nas rachaduras e frestas durante o dia. Podem-se encontrar as larvas nas aves, pois elas permanecem presas e se alimentam por 2 a 7 dias. As ninfas e os adultos se alimentam à noite em cerca de 15 a 30min. As ninfas se alimentam e mudam várias vezes antes de alcançarem o estágio adulto. Os adultos se alimentam repetidamente e as fêmeas põem 50 a 100 ovos após cada alimentação. As fêmeas adultas podem viver no mínimo 4 anos sem uma refeição de sangue.

 

Piolhos - Menacanthus stramineus

Os piolhos aviários possuem um ciclo vital de cerca de 3 semanas e se alimentam normalmente de pedaços de pele ou produtos de penas. Os piolhos podem viver por vários meses no hospedeiro, mas permanecem vivos somente por cerca de 1 semana fora dele. O homem e outros mamíferos podem ser contaminados pelos piolhos aviários, mas somente temporariamente.

 

Nas criações o piolho mais comum é a espécie Menacanthus stramineus. Ele perfura ou mastiga a pele na base das penas e se alimenta de sangue. A avicultura são menos comumente infestadas pela Menopon gallinae (nos canhões das penas), a Lipeurus caponis (principalmente nas penas das asas), a Cuclotogaster heterographa (principalmente na cabeça e no pescoço), a Goniocotes gallinae (muito pequeno, na penugem), a Goniodes gigas (o piolho grande das galinhas), a Goniodes dissimilis (o piolho marrom das galinhas), a Menacanthus cornutus (o piolho corporal), a Menacanthus pallidulus (o piolho corporal pequeno) ou a Oxylipeurus dentatus. Como os piolhos se transferem de uma espécie aviária para outra quando os hospedeiros se encontram em contato íntimo, podem-se infestar outras aves domésticas e engaioladas com espécies de Mallophaga que são geralmente hospedeiro-específicas.

 

Piolho de galinha - Dermanyssus gallinae

Muito comum em todo território nacional, o Dermanyssus, assim como outras espécies de ácaros, fica no ambiente da criação e sobe nas aves durante a noite para se alimentar. E isso, comprovadamente, pode lhe ocasionar sérios problemas sanitários, como a salmonelose. Ele vive por apenas 7 dias, ou seja, se reproduzem muito rapidamente e a infestação pode crescer muito rápido, em questão de 24h levando a sérios problemas financeiros. Estes ácaros podem sobreviver até 10 meses num galinheiro, galpão, baia vazia.

 


Phthiraptera (piolho) e acarina (ácaro) em uma pena de galinha. Gravado na Faculdade de Veterinária da UFMG. Os piolhos (grandes espécies móveis) são da espécie Lipeurus caponis (Inseta: Phthiraptera) e os pequenos ácaros (presos em sulcos) são do gênero Megninia (Arachnida: Analgesidae).

 

 

Transmissão da doença de uma ave para outra.

 Ambos os parasitas são transmitidos de ave para ave por contato físico com aves contaminadas ou local contaminado devido as falhas de manejo, ausência de quarentena, ou por contato físico com local contaminado com eles.

 

 

Identificando os sintomas da doença na ave:

• Anemia

• Peito Seco

• Emagrecimento

• Aves estressadas

• Queda da imunidade

• Canibalismo entre aves

• Doenças transmissíveis

• Diminuição da postura de ovo

• Ferimentos constantes nas aves

• Infertilidade temporária nos machos

• Ausência de penas as aves retiram as penas no intuito de acabar com os ectoparasitas.

 

 Medidas a Serem Tomadas par evitar a doença novamente: 

• Controle de pássaros e animais silvestres e domésticos, com uso de telas específicas para este fim nos galpões, baias e galinheiros e cerca nas propriedades.

• Desinfecção frequente do local conforme normas da Embrapa.

• Nas aves, é fundamental fazer um tratamento através de banhos, pulverização, polvilhamento.

• Fazer um correto manejo dos resíduos em toda a granja e aviário, evitando a proliferação dos ectoparasitas como piolhos, pulgas das galinhas e ácaros, entre outros.

 

Sugestões de tratamento para a ave doente.

    1º Isolar fisicamente as aves doentes das demais aves saudáveis em local, baia ou gaiola específico para tratar aves doentes, com bebedouro e comedouro apenas para as doentes e ficar de olho nas outras aves saudáveis que estavam com ela, se alguma adoecer levar para a baia de quarentena.

   2º Identificar os sintomas, para a partir dos sintomas podermos identificar a doença ou possíveis doenças associadas.

   3º Após a identificação da doença partimos para o tratamento com medicação adequada para cada caso.

   4º Medicamentos sugeridos de acordo com a bula:

 

 

Conheça Nossas Soluções Para Tratamento Desta Doença :

 

 

 

Assista a aula prática de como utilizar cada medicamento link :

 

 

  1. Até 1x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  2. Até 2x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  3. Até 3x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  4. Até 4x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  5. Até 5x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  6. Até 6x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  7. Até 7x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  8. Até 8x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  9. Até 9x sem juros de R$ 0,00 no cartão
  10. Até 10x sem juros de R$ 0,00 no cartão


 

Piolhos, Porva, Pixilinga

R$ 0,00

Até 10x sem juros de R$ 0,00 no cartão